quarta-feira, 14 de setembro de 2016

GALERIA MYRALDA PRORROGA EXPOSIÇÃO POPULARISMO, ATÉ O PRÓXIMO DIA 15 DE SETEMBRO...


Popularíssimo: da sobrevivência totêmica em sete lagoas ao comprometimento tridimensional da cultura pelo SMC.

Valorizar a arte e acultura de seu povo é mais uma das atribuições de um dos espaços públicos municipais mais importantes dedicados a arte, a Galeria Myralda, localizada anexa à Casa da Cultura Francisco Timóteo Pereira, na orla da Lagoa Paulino. Cumprindo sua missão, a curadoria da casa divulga a exposição “Popularismos” e a prorrogação de sua vigência que foi estendida até o próximo dia 15 de setembro.

De acordo com o curador da galeria Dmtrius Cotta a exposição possui uma natural e comprometida ação de preservação e resgate da tridimensionalidade cultural, e por isso, continua em cartaz na Galeria Myralda até dia 15 de setembro (prorrogado o prazo). Como o próprio nome indica “Popularíssimo”, diz respeito à proximidade dos artistas, tanto com a sua arte, como com o povo. Por aí vemos um desfile cultural das mais diversas tendências da arte popular, naïf, primitiva, e as criativas variações do artesanato que tão bem conceitua a exposição em seu caráter totêmico e diversificado.

A mostra eleva artistas jovens e veteranos a um patamar de autoestima, além de resgatar talentos que havia muito tempo não reaparecia no cenário artístico da cidade, como o caso do artista Paulo Horta, expondo belíssimos objetos de decoração e louvor, evocando a sagrada figura do divino.

Não foi esquecida a cultura de raízes, representada pela histórica Caravana de Reis “Irmandade Recarema”, expondo objetos de uso em festejos tradicionais tais como: Bandeira de adoração, suas vestes e as peculiares máscaras dos reis magos, com foco na preservação do patrimônio material e sua identidade imaterial.

O riquíssimo artesanato mineiro também foi alvo da “Popularíssimo”, reunindo produtos de artesãos de BH, Sete Lagoas, Bocaiuva e Lagoa Santa. Artesanato esse comprometido em estampar elementos das suas regiões, resgatando e preservando a  história mineira. 

A vocação da arte sete-lagoana é para o diálogo e abertura a um comprometimento cultural que agiliza o protagonismo efetivo da cidade, em Minas e no Brasil, desde que a cidade compreenda isso como meio politico de ação cultural. Por meio dessa exposição vemos artistas como Tânia Carlos de frente com Ângela Rosa – uma das expressivas artistas na categoria “primitivo” de BH -  e de mãos dadas com Erlei Pereira (naïf) um artista emergente que impunemente veio para ficar. A propósito da primeira artista citada, trata-se de uma artista oriunda da cidade de Januária e que é versátil o suficiente para roteirizar, produzir e titerear fantoches e marionetes, além dela mesma produzir fábulas e atuar na literatura da mesma forma como também leciona. Sua importância na tradição oral é ilibada.

Continuando...  Cito a Lena Eva que se especializou em papietagem e assume oficinas afins por Minas Gerais afora, e outros estados brasileiros. A mostra apresenta ainda o artista ‘ especial’ e inclusivo, Alexandre Alves com sua sensibilidade em compor cenas do folclore nacional e afirmando seu potencial adaptativo. O arquiteto/artista Eduardo Machado, exibe sua versatilidade temática para essa mostra, expondo cenas do cotidiano junino e pescarias como pano de fundo para os famosos e populares causos de pescadores. O artista Rangel de Carvalho, graduado em cinema, pela UFMG, exibe sua objetiva fotográfica sensível à cena cultural da cidade do Serro e próximo às raízes culturais daquela cidade (sendo ele próprio de Sete Lagoas), mas sempre participando e prestigiando as nossas exposições. A artista Denise Lelis evoca todos os santos por meio da sua paleta telúrica, indicando justamente o potencial folclórico dos mais diversos rincões, desde as cantigas de roda até o panteão da cultura afrodescendente como o candomblé e seus orixás, tudo em formato de estandarte.

Enfim: A mostra “Popularíssimo”! Incita o intelecto e provoca um discurso entorno de um emergente esboço de objeto de tese por uma antropologia cultural/ sete-lagoana e seu protagonismo mineiro.

A Exposição está sendo exibida em Sete Lagoas na Casa da Cultura “Francisco Timóteo Pereira” (GALERIA MYRALDA) em prazo prorrogado até dia 15 de setembro/ 2015, Visitas: 12h15 às 17h45 .

Segunda a sexta feira, com entrada gratuita. A galeria Myralda está localizada à Avenida Getúlio Vargas, 91, na Orla da Lagoa Paulino.

Informações e agendamentos podem ser realizados pelos telefones: (31) 3773 5687 / 3775 2977.

Nenhum comentário: